Siga
  • Curta nossa página no Facebook
  • Nos envie um Twitter
  • Veja-nos no Instagram
  • Jesus Jara

Somos crianças presas em nossas histórias!


Todos os dias presencio em redes sociais verdadeiras batalhas. Amigos se digladiando com amigos e por muitas vezes declarando-se inimigos mortais. Só por se contradizerem em conflitos de ideias.

No último cenário de guerra, uma frase saltou ao ar: "Bandido bom é bandido morto!". Falado assim, em tom forte, em palavras de ordem.

Convivo com crianças diariamente.

Por muitas vezes me deparei olhando nos olhos delas só para tentar entender o que faz uma pessoa mudar tanto. Sim, porque se não nos demos conta, crianças são pessoas!

As pessoas, quando crianças, todas elas, sem exceção, são compreensivas; tolerantes; não distinguem raça, cor, gênero; são amorosas; sinceras; transparentes, enfim. Não encontro nelas os traços de um assassino, um radicalista, um ativista, um pacifista.

Então pensei, pensei, pensei... E a única resposta que eu encontrei, dita plausível, foi que as histórias mudam as pessoas.

Cada criança passa por uma história e esta história forja, como fogo forja o ferro, a personalidade assassina, pacifista, ativista, politica, corrupta, seja ela o que for!

Então pensei mais um pouco...

A conclusão que cheguei, foi que não temos de culpar as crianças. Mas, culpar as histórias que estas crianças ouviram e a tornaram o que são.

E se as histórias são as culpadas, temos de entender como mudá-las. Existem crianças que fazem histórias para fazer outras crianças serem presas por seus monstros. Políticos, por exemplo! Eles contam as histórias erradas à milhares de crianças dia após dia. Porque as histórias que sempre ouviram, foi que nesta vida, só se vale o poder. Pobre são estas crianças!

E qual a solução?

Só vejo uma... Contar novas histórias! Dar exemplos e tentar acrescentar capítulos as histórias das crianças, para que elas entendam que lobos maus existem e que elas devem lutar contra isto de qualquer forma. Lutar para não deixar, principalmente, que estes lobos entrem em seus pensamentos e sobretudo em seus corações.

Somos as histórias que contamos. E contando histórias boas, podemos inspirar o bem.

Rogo que as criança que ainda vive em cada um de nós nunca perca o sonho e a fé. Que ela entenda que nossos livros são escritos a lápis e podemos sim, apagá-los e reescrevê-los. Portanto, não deixe de contar boas histórias a todas as crianças que passar por seu caminho. Não deixe de contar boas histórias a sua criança adormecida dentro de si.

Nunca deixe de contar histórias!

E pra cada uma delas, um final único. Um final feliz!

E quanto a frase proferida ao calor da discussão? Não haveria necessidade se o bandido tivesse ouvido mais histórias de mocinhos.

(*) Foto por Sarawut Intarob

(*) Uma reflexão: Lições de prisioneiros no corredor da morte (David R. Dow | TEDxAustin)

#Pensamentos

58 visualizações
Contato Olhar do Palhaço

WhatsApp

+55 (11) 97630-3872 (Brasil)

+351 96 840-5997 (Portugal)

Nos envie um e-mail

Siga-nos

 

  • Curta nossa página no Facebook
  • Nos envie um Twitter
Olhar do Palhaço